Rua Edmilson Pinheiro, 150, Autódromo, Eusébio - Ceará, 61760-000 | 85 3260-5145
prefeitura@eusebio.ce.gov.br

Notícias

Eusébio realiza a certificação do Programa Peteca 2018

quarta-feira | 28/11/2018

A Prefeitura Municipal de Eusébio, através da Secretaria de Educação realiza, no dia 5 de dezembro, de 8 às 11 horas, no auditório da Escola Neusa de Freitas Sá, a Certificação do Programa Peteca. Participam da atividade todas as escolas que disputaram do Prêmio Peteca, a nível municipal, e a Escola do Cararu, campeã estadual e vice-campeã nacional na premiação. O Prêmio Peteca é realizado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) e objetiva reconhecer os melhores trabalhos literários, artísticos e culturais produzidos pelos alunos das escolas dos municípios cearenses voltados para a prevenção e combate ao trabalho infantil.

A secretária de Educação Goretti Frota observa que o Prêmio Peteca tem por objetivo fomentar a participação de crianças e adolescentes nas ações de mobilização, conscientização e prevenção do trabalho infantil, reconhecer e divulgar os melhores trabalhos literários, artísticos e culturais produzidos pelos alunos, bem como e a dedicação dos educadores envolvidos nas ações de prevenção à violação dos direitos de crianças e adolescentes.

A Escola do Cararu, que conquistou a medalha de ouro estadual e a de prata nacional, com o curta-metragem “Posso te ajudar, só não vale me explorar”, vai receber uma homenagem especial durante o evento. O filme foi produzido e realizado pelos alunos Antonio Kaik de Sousa (11 anos), Bruna Silva (11), Elvis Eduardo (11), Samara Rodrigues (10) e Isabelli Cristina (10), todos do 5º ano, sob supervisão da professora de teatro Ana Paula Bezerra Sá e da diretora da Unidade de Ensino, Guiomar Frota.

Segundo o prefeito Acilon Gonçalves, por mais que pareça improvável, muitas pessoas acreditam que o trabalho na infância é uma etapa preparatória para a vida adulta, a partir da falsa ideia de que a criança, enquanto indivíduo em transição, deve vivenciar e ser responsabilizado pelas tarefas domésticas e/ou de complementação da renda familiar. “Paralelamente, as crianças que trabalham têm maior dificuldade de permanecer na escola e apresentam baixo rendimento. São estudantes que têm negado seu direito à educação e ao aprendizado significativo, pleno e para a vida,” ressalta.